Poema para Candinho Portinari

Vinícius de Moraes, 1962

Lá vai Candinho!
Pra onde ele vai?
Vai pra Brodóvski
Buscar seu pai.

Lá vai Candinho!
Pra onde ele foi?
Foi pra Brodóvski
Juntar seu boi.

Lá vai Candinho!
Com seu topete!
Vai pra Brodóvski
Pintar o sete.

Lá vai Candinho
Tirando rima
Vai manquitando
Ladeira acima.

Eh! Eh, Candinho!
Muita saudade
Para Zé Cláudio
Mário de Andrade.

Se vir Ovalle
Se vir Zé Lins
Fale, Candinho
Que eu sou feliz.

Ouviu, Candinho?
– Diabo de homem mais surdo…


Marcus Vinícius da Cruz e Mello de Moraes

(Rio de Janeiro, 1913 – Rio de Janeiro, 1980). Poeta, dramaturgo, compositor e diplomata brasileiro. Possui vasta e admirada obra literária e como compositor de música popular brasileira. O poema aqui apresentado foi escrito por ocasião da morte do extraordinário pintor, de quem o poeta era grande amigo.

Leia também estes artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *